O golpe

O tipo de fraude que ficou conhecido como “Golpe do Motoboy” é uma modalidade de fraude em que os falsários ligam para a vítima informando que são do departamento antifraude do banco e questionam se o consumidor realizou recentemente alguma compra em grandes loja que comercializam pela internet ou outros centros conhecidos de compra.

Quando o cliente relata desconhecer a compra e informa que está em posse do cartão, o falsário então solicita que o consumidor escreva uma carta de próprio punho relatando que desconhece a compra, solicitando o estorno valor e é orientado para que corte o cartão ao meio.

Na ocasião, o interlocutor informa que em razão do ocorrido será necessário a realização de perícia no cartão para cancelar a compra, razão pela qual encaminhará um portador para que retire o cartão (cortado) no local em que o consumidor está.

Outrossim, relatos de vítimas informam que o consumidor, na mesma ligação, é “transferido” para outro departamento para finalizar o cancelamento do cartão, e, seguindo orientações do atendimento eletrônico, semelhante aos dos bancos, digitam no teclado do telefone alguns dados.

No entanto, há relatos de vítimas que desligam o telefone e ligam para o gerente do banco ou para o SAC, porém, segundo algumas matérias sobre o tema, há indícios de que existe interceptação telefônica, que pode capturar alguns dados, evidenciando o quão complexo e avançada é a modalidade do “Golpe do Motoboy“.

Porém, o consumidor, acreditando que adotou os procedimentos corretos, tamanha credibilidade que os falsários demonstram, após a retirada do cartão cortado pelo portador, é surpreendido com gastos no cartão (débito e/ou crédito) e ao contatar realmente o banco, é informado que foi vítima do denominado “Golpe do Motoboy”.